0

Reforma Trabalhista: o que mudou para o empreendedor em relação à jornada de trabalho?

Como foi dito em nosso primeiro artigo sobre a Reforma Trabalhista, muitas mudanças nela previstas passaram a valer a partir do dia 11.11.2017. O foco da reforma está na flexibilização e possibilidade de diálogo e negociação entre as partes.

Mas quais são exatamente os pontos que podem ser negociados? O que mudou? Nesse artigo abordaremos os assuntos referentes a jornada que sofreram alterações. Vamos lá!

Leia mais
2

REFORMA TRABALHISTA: TEMOS MOTIVOS PARA COMEMORAR?

No próximo dia 11 a tão falada reforma trabalhista passará a valer. Depois de muitas polêmicas, debates, discussões, ameaças de boicotes – querendo os profissionais do direito ou não – a lei passará a viger. E agora? O que muda, afinal? O cenário é tão ruim como muitos “pintam” ou temos motivos para comemorar? 

Talvez “comemorar” seja uma palavra muito forte e expresse os ânimos de apenas um dos lados. Mas, sim, a reforma tem pontos positivos e trará algumas mudanças benéficas para o país e, principalmente, para Justiça do Trabalho.

Leia mais
0

Entenda como calcular os encargos trabalhistas ao contratar um empregado

No último artigo, falamos sobre as principais características da relação de emprego, para que você pudesse saber em que circunstâncias será, ou não, obrigado a assinar a Carteira de Trabalho dos seus colaboradores. Conforme alertamos, o que mais importa, nesse particular, é a realidade dos fatos, em relação à formatação contratual eleita para a contratação de um colaborador (veja o texto neste link).

Leia mais
0

Como saber se um colaborador é ou não empregado?

Toda empresa, na busca da sua consolidação ou expansão no mercado, precisa da ajuda de colaboradores para o desenvolvimento do serviço ou produto ofertado. Ocorre que, muitas vezes, se verifica uma dúvida essencial sobre a forma de contratação da mão-de-obra, sobretudo diante do risco de reconhecimento de uma relação de emprego com o prestador do serviço.

Leia mais
0
Caminhos para diminuir os riscos trabalhistas do franqueador

Caminhos para diminuir os riscos trabalhistas do franqueador

Todo empreendedor, ao listar as suas principais dores, certamente vai elencar os riscos trabalhistas. Com o franqueador, não é diferente: há um receio natural de assumir um passivo trabalhista, mas a cartilha de oferta de franquia (COF) pode ajudar a diminuir esses riscos, se o redator estiver atento a pontos essenciais.

Uma rede franqueadora certamente já tem um quadro de empregados próprios, os quais prestam serviços voltados à atividade econômica da empresa. Naturalmente, a cartilha de oferta de franquia (COF) não poderá abarcar esses colaboradores, mas apenas aqueles que estão apenas indiretamente vinculados à rede franqueadora por conta da prestação de serviços em favor dos seus franqueados.

É uma dúvida até comum: o franqueador corre algum risco de responder pelos débitos trabalhistas assumidos pelos franqueados? Se sim, em que medida? E como a cartilha de oferta de franquia (COF) pode ajudar a mitigar esse(s) risco(s)?

REGRA GERAL: AUSÊNCIA DE RESPONSABILIDADE DO FRANQUEADOR

Há tese no sentido de que o franqueador responde pelos débitos trabalhistas do franqueado, seja por não ter patrimônio suficiente para a sua quitação ou motivo diverso. Um dos fundamentos para essa diretriz é o de que o franqueador se beneficia da mão-de-obra explorada pelo franqueado, visto que em última instância é através dela que lhe são pagos os royalties mensais.

Outro argumento que respalda essa posição é a possível existência de grupo econômico formado por franqueador e franqueados, o que atrairia a incidência do art. 2º da CLT, segundo o qual a responsabilidade das empresas seria solidária, ou seja, ambas poderiam responder diretamente pelos débitos. Nessa hipótese, a franqueadora poderia, a depender do caso, acionar os franqueados para ser restituído do valor desembolsado.

Esse, entretanto, é um entendimento superado. Entende-se que a responsabilidade do franqueador pelos débitos trabalhistas do franqueado não se justifica quando as empresas têm gestão autônoma e não há intervenção excessiva da rede franqueadora sobre as unidades franqueadas, com aproveitamento direto e conjunto da mão-de-obra para fins atrelados diretamente à atividade econômica da rede.

O contrato de franquia é regulado apenas pela Lei 8.955/94 e, nos termos desta, quando toda a operação se desenvolver de forma regular, o franqueador não responderá por eventuais débitos trabalhistas dos franqueados. Essa é a regra geral, que só será excepcionada nos casos descritos no parágrafo anterior.

CUIDADOS COM A CARTILHA DE OFERTA DE FRANQUIA

Alguns cuidados na elaboração da cartilha de oferta podem ajudar o franqueador a diminuir, ainda mais, os seus riscos trabalhistas. É o caso, por exemplo, de analisar detidamente os termos utilizados para evitar a suposição de qualquer tipo de ingerência na administração do negócio do franqueado. O contrato de franquia envolve a transmissão de know how, mas não pode ter o seu objeto extrapolado de forma indevida, sob pena de se abrir margem à configuração do grupo econômico entre as empresas.

Outro ponto para o qual o franqueador deve ficar alerta diz respeito à manifestação da concordância, por parte do franqueado, de que a rede não possui nenhuma responsabilidade pelos seus débitos trabalhistas, comprometendo-se já no corpo do contrato a reembolsá-la de quaisquer despesas que porventura venha a assumir em virtude de atos culposos de sua parte perante os colaboradores da unidade.

E sua rede franqueadora, como tem lidado com a mão-de-obra contratada pelos seus franqueados? A sua cartilha de oferta de franquia tem cláusulas específicas para afastar ou diminuir os riscos trabalhistas da sua empresa? Na prática, o procedimento adotado tem sido correto para evitar prejuízos no futuro?

Leonardo Susart é sócio da Susart & Seixas – Advocacia para Empreendedores, e especialista em franquias e negócios em expansão

1 2